Em sua 11ª edição, o Congresso Brasileiro de Inovação e Gestão de Desenvolvimento do Produto (CBGDP) será realizado, pela primeira vez, na cidade de São Paulo, nos dias 4 e 5 de setembro, nas instalações da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP). O evento é dirigido para pesquisadores, professores, estudantes, empresários, consultores, engenheiros, administradores, designers e demais profissionais que atuam na área.

Realizado a cada dois anos, desde 1999, o Congresso consolidou-se como o principal fórum de engenharia sobre gestão da inovação, integrada ao desenvolvimento dos produtos e serviços. Promove a divulgação da produção técnico-científica e sua aplicação, colaborando para o desenvolvimento e inovação tecnológica do Brasil.

Este ano, o tema central é “O desenvolvimento de produtos e serviços no contexto da Internet das Coisas”, que orientará o debate nas diversas atividades. O programa inclui sessões temáticas, apresentação de casos, palestras, painéis, minicursos e visitas técnicas aos laboratórios de pesquisa da Poli-USP e empresas. A previsão é que 100 trabalhos técnicos-científicos originais sejam apresentados, nas formas oral e em pôster, durante o Congresso, após a seleção e avaliação do Comitê Científico.

“Nosso objetivo é incentivar a aplicação da inovação, pelo setor empresarial, no desenvolvimento de produtos, serviços, sistemas produto-serviço (PSS), processos e novos modelos de negócio que tragam benefícios para a sociedade e contribuam para o crescimento tecnológico do País. Vamos difundir, no Congresso, pesquisas de caráter acadêmico e prático, promovendo o debate sobre tendências e diretrizes entre especialistas de instituições públicas e privadas”, diz o Prof. Paulo Kaminski, da Poli-USP, organizador geral do evento: “A parceria entre universidade e empresa é primordial para o desenvolvimento do Brasil e sua condição de competitividade no contexto global”.

Para a apresentação de trabalhos técnicos no 11º Congresso Brasileiro de Inovação e Gestão de Desenvolvimento do Produto, os interessados devem enviar o resumo do trabalho (até 24 de abril) para a apreciação do Comitê Científico, por meio de formulário disponível no site do evento (www.cbgdp.org.br).

O Congresso é uma iniciativa do Instituto de Inovação e Gestão de Desenvolvimento do Produto (IGDP), em parceria com instituições de ensino de Engenharia. Na edição de 2017, a organização do evento está sob a responsabilidade da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP); Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP); e Universidade Federal do ABC (UFABC). Tem o apoio da Fundação Vanzolini e do Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Poli-USP.

A Comissão Organizadora do 11º Congresso Brasileiro de Inovação e Gestão de Desenvolvimento do Produto é formada pelos seguintes professores: Paulo Carlos Kaminski, da Poli-USP, que tem o cargo de Organizador Geral do Congresso; Eduardo de Senzi Zancul e André Leme Fleury, ambos da Poli-USP, integrantes do Comitê Administrativo do evento; Henrique Rozenfeld, da EESC-USP (Comitê Científico); e Guilherme Canuto da Silva, da UFABC (Comitê Estudantil).

11º Congresso Brasileiro de Inovação e Gestão de Desenvolvimento do Produto

Data: 4 e 5 de setembro de 2017

Local: Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Av. Prof. Luciano Gualberto, travessa 3, nº 380 – Edifício Eng. Mário Covas Júnior – Cidade Universitária – São Paulo – SP

E-mail: cbgdp2017@gmail.com

Site: www.cbgdp.org.br

 

Na 23ª Competição Baja SAE Brasil, realizada de 9 a 12 de março, em São José dos Campos (SP), a equipe Poli Atlas, formada por alunos da Escola Politécnica da USP, foi classificada em três categorias: o segundo lugar em Velocidade Máxima, o segundo lugar em Aceleração e o terceiro lugar na categoria Relatório de Projeto. A equipe tem a orientação do Prof. Dr. Marcelo Alves, integrante do CEA.

A edição 2017 teve 88 equipes inscritas de 81 instituições de ensino superior, o maior número de inscrições da história da competição. Desse total, 77 equipes participaram da prova, que envolveu 2,5 mil estudantes de engenharia e professores de universidades das cinco regiões brasileiras.

Essa competição universitária de engenharia é organizada, nacionalmente, pela SAE Brasil desde 1995. Para participarem, os estudantes têm de desenvolver, construir e testar os próprios carros, chamados de Baja SAE, protótipos de estrutura tubular em aço, monopostos, para uso fora de estrada. Eles também são responsáveis pela administração da equipe e dinâmica de trabalho, o que inclui parte técnica e viabilidade econômica do projeto (busca de patrocínio).

Prova de Enduro de Resistência da competição deste ano, que aconteceu em março

A nova presidência da AEA – Associação Brasileira de Engenharia Automotiva convidou o Professor Dr. Marcelo Massarani, integrante do Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Poli-USP, para ser o Diretor Acadêmico da Entidade na gestão 2017-2018. Ele assumiu o cargo em fevereiro.

O professor Massarani também é o coordenador da 25ª edição do Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva – SIMEA 2017, promovido pela AEA, que será realizado nos dias 12 e 13 de setembro, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo (SP). Trata-se do maior simpósio técnico do setor automotivo nacional, que tradicionalmente recebe cerca de 1.200 participantes.

Este ano, o SIMEA discutirá o tema “As inovações da indústria automotiva para a sociedade” e apresentará os painéis “Novas políticas industriais para o setor” e “O veículo das próximas gerações”, e as palestras “Utilização da tecnologia na mobilidade” e “O futuro da mobilidade urbana”, além de 60 trabalhos técnicos.

“Definimos por um tema bastante abrangente, com foco para os benefícios à sociedade, porque o produto autoveículo passa por momentos cruciais tanto do ponto de vista mercadológico como de aceitação por parte dos novos consumidores, enquanto a indústria automotiva procura incessantemente por soluções tecnológicas e contribuição efetiva na mobilidade urbana”, diz o professor Massarani, coordenador do SIMEA 2017.

A AEA é reconhecida pela ampla oferta de cursos, workshops, eventos e projetos voltados para o desenvolvimento da engenharia automotiva nacional. A Entidade atua há mais de 30 anos como fórum neutro de debate sobre questões estratégicas do setor, com o envolvimento da indústria automotiva, órgãos governamentais, instituições de ensino e de pesquisa. A agenda 2017 está disponível em www.aea.org.br

 

Foto 1a aula da turma 2017 da Especialização com prof. Paulo KaminskiComeçaram, na sexta-feira, 17 de fevereiro, as aulas da turma 2017 do curso de Especialização em Engenharia Automotiva, oferecido pelo Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Poli-USP. Os novos alunos foram recepcionados pelo Prof. Dr. Paulo Kaminski, coordenador do CEA, que apresentou o curso e os desafios que os alunos terão de superar, destacando a importância de profissionais capacitados para o desenvolvimento do setor automotivo.

Em seguida, a turma assistiu à primeira aula da disciplina Projeto e Arquitetura de Veículos, ministrada pelo professor Kaminski. O curso é presencial, com aulas às sextas-feiras, à noite, e aos sábados, pela manhã, no campus do Butantã da USP, em São Paulo (SP). A carga horária mínima é de 372 horas/aula e a duração do curso, até 30 meses.

Ao todo, são oferecidas 14 disciplinas: Projeto e Arquitetura de Veículos, Tópicos Especiais de Engenharia Automotiva (ambas obrigatórias), Chassis e Carroceria, Motores de Combustão Interna, Conforto Veicular, Gerenciamento de Custos e Investimentos, entre outras. O curso possui 22 docentes, entre professores da USP e especialistas convidados (profissionais de montadoras e consultores) – a maioria é Doutor em Engenharia.

A turma 2017 – oitava turma do curso – é formada por 22 alunos, dos quais dois receberam bolsa integral de estudo concedida pelo CEA. Ambos são ligados à USP, um é aluno de mestrado e outro, funcionário de instituto de pesquisa parceiro.

O curso de Especialização em Engenharia Automotiva foi criado em 2010 para garantir uma formação continuada de excelência em toda a cadeia automotiva. Mais de 150 profissionais de importantes montadoras, sistemistas e autopeças já concluíram o curso e receberam o certificado emitido pela USP.

Band A matéria “Empresas de TI miram autônomos e frotas envelhecidas”, publicada na newsletter da Agência AutoData, edição de 14 de fevereiro de 2017, traz o depoimento do Prof. Dr. Marcelo Alves, integrante do CEA, que analisa a participação de empresas de tecnologia no desenvolvimento de soluções para veículos. Leia a íntegra da matéria clicando neste link aqui.

 

O Prof. Dr. Paulo Kaminski, coordenador do Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Poli-USP, foi convidado para fazer parte do time de colaboradores internacionais do Centre interuniversitaire de recherche sur la science et la technologie (CIRST), de Quebec, Canadá. O CIRST é um importante grupo interdisciplinar de pesquisadores daquele país, que promove o avanço do conhecimento em diferentes áreas da ciência e da tecnologia e sua aplicação na resolução de problemáticas sociais.

Criado em 1986, o CIRST reúne cerca de 60 pesquisadores de 12 instituições de ensino, e está localizado no campus principal da Université du Québec à Montréal – Universidade do Quebec em Montreal (UQAM). É reconhecido como unidade de pesquisa pela Universidade de Montreal e pela Universidade de Sherbrooke, além da própria UQAM.

O CIRST lançou recentemente o programa de colaboradores internacionais e convidou cerca de 10 pesquisadores de diferentes regiões do mundo. O professor Paulo Kaminski recebeu o convite, no final de 2016, em virtude do reconhecimento da qualidade dos trabalhos realizados em parceria com pesquisadores de Quebec.

”É uma honra ser selecionado para fazer parte do CIRST. A iniciativa deve aumentar a colaboração em projetos de pesquisas científicas entre nosso grupo e pesquisadores do Canadá”, diz o professor Paulo Kaminski.

Informações sobre o CIRST em http://www.cirst.uqam.ca/en/

 

 

Inscrições para o processo seletivo até 10 de fevereiro

O Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) oferece bolsa integral para o curso de Especialização em Engenharia Automotiva – Turma 2017. As inscrições para o processo seletivo devem ser feitas até o próximo dia 10 de fevereiro.

A ficha de inscrição está disponível neste site (www.automotiva-poliusp.org.br/pos-graduacao/especializacao/inscricoes/). Os candidatos a bolsistas estão isentos do pagamento da taxa de inscrição.

O processo seletivo seguirá critério de prioridade na seguinte ordem: docente da USP, aluno de mestrado/doutorado da USP, funcionário da USP, colaboradores de instituições parceiras, terceira idade e membro da comunidade geral. Os candidatos também passarão por avaliação curricular e, se necessário, entrevista com o coordenador do curso, professor Paulo Kaminski. O resultado do processo seletivo será divulgado no dia 14 de fevereiro. As aulas começam na sexta-feira seguinte, 17 de fevereiro.

Outras informações podem ser obtidas na Secretaria de Engenharia Automotiva da Poli-USP, pelo telefone (11) 3817-5488 e pelo e-mail mpauto@usp.br

O curso

Pós-graduação “lato sensu”, o curso de Especialização em Engenharia Automotiva da Poli-USP tem o objetivo de preparar, atualizar e qualificar profissionais sobre produtos, serviços e processos industriais, com competência abrangente para solucionar problemas técnicos e de gestão de empresa do setor automotivo.

O curso é presencial, com carga horária mínima de 372 horas/aula e duração de até 30 meses. As aulas são ministradas no campus do Butantã da USP, em São Paulo (SP), às sextas-feiras, à noite, e aos sábados, pela manhã. O corpo docente é formado por professores da própria universidade e especialistas convidados, sendo que a maioria é Doutor em Engenharia. Outro diferencial é que a monografia deve ter foco na solução de um problema real de empresa do setor automotivo. O aluno concluinte recebe o certificado emitido pela USP de Especialista em Engenharia Automotiva.

A Escola Politécnica é a única instituição da América do Sul que oferece o ciclo completo de ensino superior com ênfase em engenharia automotiva, desde a graduação até o pós-doutorado.

 

BOLSA para Especialização em Engenharia Automotiva da Poli-USP

TURMA 2017

Inscrições para o processo seletivo: Até 10 de fevereiro de 2017

Taxa de inscrição: isenta

A ficha de inscrição está disponível na página de Inscrições (www.automotiva-poliusp.org.br/pos-graduacao/especializacao/inscricoes/).

Informações: Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Poli-USP

(11) 3817-5488

e-mail: mpauto@usp.br

www.automotiva-poliusp.org.br

 

 

Band Alexandre Guimarães, professor do curso de Especialização em Engenharia Automotiva do CEA, é um dos entrevistados da reportagem Tecnologias de Carros Autônomos já Existem nas Ruas, exibido pelo programa AutoEsporte, da Rede Globo, no dia 11 de dezembro de 2016. Assista à reportagem no link aqui.

 

O Centro de Engenharia Automotiva da Poli-USP abriu o segundo (e último) período de inscrições para o processo seletivo do curso de Especialização em Engenharia Automotiva (turma 2017). O prazo termina no dia 20 de janeiro. As aulas começam em fevereiro.

A ficha de inscrição está disponível na página de inscricões do curso, neste site, e a taxa é de R$ 330,00. O processo seletivo inclui análise de currículo e, se necessário, o candidato é entrevistado pelo coordenador do curso, Prof. Dr. Paulo Kaminski.

O curso é presencial, com carga horária mínima de 372 horas/aula e duração de até 30 meses. As aulas são ministradas no campus do Butantã da USP, em São Paulo (SP), às sextas-feiras, à noite, e aos sábados, pela manhã. O certificado de Especialista em Engenharia Automotiva é emitido pela USP.

Outras informações podem ser obtidas na Secretaria de Engenharia Automotiva da Poli-USP, pelo telefone (11) 3817-5488 e pelo e-mail mpauto@usp.br ou na área de Pós-graduação/Especialização deste site.

 

Especialização em Engenharia Automotiva da Poli-USP – Turma 2017

Inscrições: Até 20 de janeiro de 2017

Taxa de inscrição: R$ 330,00

Informações: Centro de Engenharia Automotiva (CEA) da Poli-USP

(11) 3817-5488 – e-mail: mpauto@usp.br

 

 

A equipe Poli Racing, formada por alunos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, foi a melhor na prova Apresentação entre as equipes da categoria Combustão que disputaram a 13ª Competição Fórmula SAE Brasil, entre os dias 25 e 27 de novembro, no Esporte Clube Piracicabano de Automobilismo, em Piracicaba (SP). O Prof. Dr. Marcelo Alves, do CEA, acompanha e orienta os alunos da Poli Racing.

Durante três dias de competição, os carros (concebidos, projetados e fabricados pelos próprios alunos) passam por provas estáticas e dinâmicas, aplicadas por juízes da indústria da mobilidade. O Comitê Técnico avalia a performance de cada projeto na pista, como também por meio de apresentações das equipes, que envolvem questões técnicas e de marketing. Nas provas estáticas, as equipes devem demonstrar mais detalhadamente se o carro descrito no projeto equivale ao apresentado na competição. As provas dinâmicas são realizadas no segundo dia do evento.

Nesta edição, a Fórmula SAE Brasil teve a participação de 45 equipes de faculdades de engenharia e atraiu público de mais de 450 pessoas. A equipe EESC USP Fórmula SAE, da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, foi a campeã na categoria Combustão, e a Unicamp E-Racing, da Universidade Estadual de Campinas, venceu na categoria Elétrica

Tecnologias

Segundo a associação SAE Brasil, que promove a competição, o Comitê Técnico observou, entre as inovações apresentadas pelos carros da categoria Combustão, intenso uso de materiais alternativos, como a fibra de juta, material orgânico de alta resistência e baixo peso, além de solução sustentável. Outra criatividade foi a inovação na aplicação de um sistema de redução de arrasto, que ganhou nova função ao ser implementado na asa dianteira: Aumentar o fluxo de ar direcionado aos radiadores.

Na categoria Elétrica, uma das inovações foi a utilização de aplicativo para o monitoramento em tempo real da bateria do veículo, a partir de comunicação com o sistema de gerenciamento da bateria, que transmite dados de carga e temperatura. O desenvolvimento de diferencial eletrônico, que permite considerável perda de peso em relação à versão mecânica, além de melhoria de performance, foi outra inovação apresentada pelas equipes.